caiaque bahia

caiaque bahia
Visite o Caiaque Bahia - clique na imagem

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Pescaria na Foz do Pojuca - The "Big Eight"

Lembra-se do Aloysio?

Àquele pescador do Clupesal que capturou um bagre de mais de 8 quilos em Massarandupió? Clique aqui para relembrar. Recebi dele o seguinte e-mail:

"Miltão, fiz uma pescaria insólita na boca da barra e estou te enviando o material, pois se você achar interessante pode publicar no seu blog.

Fui pescar com Belo e Júnior na boca da barra (Itacimirim) e a praia estava cheia de pedras, seca e com muita sujeira na água. No começo consegui pegar um bagrinho amarelo de + ou - 300gr e perdi muito material, pois a linha arrastava nas pedras (lá no fundo) e partia. Depois de duas horas sem ver a cor de peixe, resolvi subir em uma pedra e fazer um último arremesso, que nem foi muito longe. Para meu espanto o meu molinete cantou como eu nunca tinha visto antes. Acredito que o peixe tomou pelo menos cem metros de linha só na primeira corrida. Desci da pedra e fui para a areia da praia, pois se não, eu não teria a menor chance. Depois de uma boa briga, chegou na areia meu peixão: Um robalo fecha que depois de pesado em uma balança digital, para meu espanto deu 8.100kg.
Quem já teve um robalão na linha tem idéia do que eu passei!

Material utilizado:
Vara Dam Eclipse 4.20m
Molinete Okuma Longitude 65
Linha monofilamento 0,28mm
Anzol Maruseigo nº 14
Isca Camarão cinza sem casca cortado em pedaços. "

Eis a foto do Aloysio com o seu troféu.

E a narração da captura em um vídeo no Youtube, de autoria do próprio Aloysio.



Parabéns, Aloysio.

O Cara é um "matador" e agora merece a alcunha de "Big Eight". Ave Aloysio, os que querem ser "matadores" te saúdam.

A Foz do Pojuca em Itacimirim tem proporcionado boas peças, como essas duas arraias capturadas em uma pescaria noturna.

domingo, 29 de maio de 2011

Pescaria em Sauípe III - Pesca Noturna

Ontem por volta das 08h30min enviei por e-mail o seguinte QTC Geral:

Companheiros,

tentei pescar hoje no Flamengo.

Vento legal, mar idem, sargaço até quenão tinha muito, mas era suficiente para arrastar a parada na direção sul em poucos minutos.

Como a maré baixa hoje foi as 07h00, os melhores lugares são o Flamengo e Porto Sauípe. Penso em ir em Sauípe à tarde (15h00) e entrar um poucopela noite. Quem topa?

Tenho três vagas no carro, desde que a varas possam ir no bagageiro.Lanterna e camisa extra (frio) são indispensáveis.


Enviei a mensagem para 10 pescadores que já manifestaram desejo de uma pescaria noturna e sete deles retornaram, mas só o Deco e Joel positivamente.


Ruy, Jair, Alessandro e Pernambuco avisaram que estavam trabalhando e o Maurício informou que estava envolvido em uma "emergência" ambiental, veja trecho do e-mail dele abaixo:

"PARCEIRO RECEBI UM COMUNICADO URGENTE INFORMANDO QUE ESTÁ TENDO EXTRAVAZAMENTO DE CEVADA EM POJUCA......ME CONVOCARAM PARA NORMALIZAR O NÍVEL HEHEHEHH."


Saímos ás 15h00 e às 16:10 já pescávamos, e Joel pescando com material "barra leve" (quem diria, hein, o cara da arraia de 11 quilos...) pegou o pampinho da foto abaixo.
E em seguida Deco capturou, mesmo na barra média, outro pampinho.

Apesar dessas ações iniciais, a pescaria foi marcada pela pouca ações dos peixes, apesar das excepcionais condições de vento, mar e temperatura.

Eu continuava insistindo com a pititinga como isca e na barra média. Mesmo com duas varas fiquei por duas horas "no sapato".

Já estava tudo escuro e eu tinha acabado de por os "star light" nas varas minha e do Joel quando vi a minha vara bater. Após uma breve luta, com boas cabeçadas, coloquei em seco a caranha da foto abaixo.
A caranha não é um peixe comum na beira da praia e eu e Deco não identificamos de pronto. Coube a Joel fazer a identificação, já que ele tem experiência em foz de rios e mangues, onde a caranha é comum.

No mais, foram mais dois pampinhos e de notável tivemos apenas mais um bom barbudo capturado pelo Joel.
Saímos de Sauípe por volta das 20h00. Apesar dos poucos peixes, a pescaria no geral foi bem agradável graças a excelente companhia dos amigos, que ainda deixaram os peixes para mim.


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Pescaria em Itacimirim IV

Tentamos eu e o Deco armar uma pescaria nesse domingo em Massarandupió. Face a ameaça de chuvas, "pipocaram" (desistiram) Pernambuco, Joel, Bigode e Adelson.

Então fomos eu e o Deco para o Flamengo, pertinho aqui de casa. Logo na chegada, a areia da praia cheia de sargaços nos fez irmos para Itacimirim.

Chegamos com o tempo bastante fechado, com muito vento (a previsão de ventos de 30 km/h estava certíssima) e também chuvas. Muita chuva. Mas resistimos bravamente.

Apesar da chuva, tempo fechado e muito vento, as águas estavam relativamente calmas e quentes. Como Itacimirim é uma enseada, se explica a calma de suas águas.

Também apesar dos peixes estarem ativos, tivemos que lidar com uma quantidade imensa de roncadores, corrrós, chumbregas e palombetas que "embuchavam" ou se ferravam nos anzóis imensos.

Se tivéssemos levado um material leve, a diversão teria sido garantida. O maior peixe que peguei foi esse bagre.

Mas o Deco quebrou o recorde extra-oficial de peixe galo com esse imenso exemplar.

Se você achou pequeno, confira o peixe comparado com um objeto padrão do pescador de praia: uma latinha de cerveja de 269 ml .

Já em casa, fizemos a pesagem e confirmamos como o maior galo que já vimos: 1,06 quilos.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Pescaria no Flamengo IV

Neste domingo, enquanto Salvador sofria com chuvas contínuas, no Principado de Stella Maris eu, o Joel, Cesar Bigode e Ruy da Sandália Rosa pescávamos no Flamengo.

Recebi o convite do Joel às 05h30min da manhã e fui encontrar com eles. Eu tinha planejado ir a Massarandupió, mas tive que abortar pois todos os colegas pescadores estavam com medo da chuva e não queriam ir para tão longe.

Ás 05:45 já estávamos na praia, o dia nem tinha clareado ainda e o Joel não perdeu tempo na espuminha.

Pouco depois, ainda no primeiro arremesso, capturei um dublê de barbeiro com peixe gato. O barbeiro (Acanthurus bahianus) , peixe frequentador de locais com pedras, é raríssimo de se pegar em pesca de praia, principalmente deste tamanho. Um peixe belíssimo, digno de aquário.

E que foi imediatamente solto, junto com o peixe gato.



Tivemos por 15 minutos uma chuva forte, mas não "arredamos o pé" e o Ruy, de sapateiro, pois ele e Cesar Bigode só queriam os bitelos e estavam pescando com anzóis e iscas imensos, se contentava com um sirí fisgado no anzol.
Como eu estava no local com pedras, peguei também este dublê de pirambu com garoupinha de São Tomé. O pirambu foi para a fritada.
Estávamos conversando, pois os peixes estavam inativos há quase meia hora, foi quando a vara Marine Power Surf do Ruy deu uma bela batida. Em poucos minutos ele tirou esta bela guaraiúba.
Joel fez questão da fotografia ao lado do Ruy e notamos que até as sungas são iguais.

Ficamos até as 10h00 e sedentos saímos em busca de uma cervejas para fechar a manhã, pois na praia o único local com cerveja estava a cerca de 1 quilômetro de onde estávamos.

Quase esquecia de falar do teste da Vara Coral, citada no post anterior: embora a ponta não esteja vibrando mais, não houve mudança significativa no desempenho.

Fiz apenas um arremesso em seco, com ajuda do Joel, que alcançou cerca de 95 metros, usando linha 0,30 sem líder (perdi o líder quando a parada ficou presa nas pedras). Já lancei com esta vara 110 metros e farei novo teste com as mesmas condições.

Vara Rainbow Coral by Anselmo e Milton

Há cerca de dois anos troquei os passadores da vara Rainbow Coral para Low Rider e fiquei muito satisfeito com o resultado, clique aqui para ver. Com o passar do tempo, fui notando que logo após o lançamento a ponta da vara vibrava e que eu poderia ter um aumento de desempenho com esta correção.

Conversei com o Anselmo e ele sugeriu uma redistribuição dos passadores, com retirada de um deles, e relocação deles mais para cima da "espinha da vara", já que o Anselmo verificou que estavam cerca de uns 10 graus fora . Como também o reel seat (fixador do molinete) e o pegador próximo ao butt cap (pé da vara) já estavam com acentuado desgaste, inclui no pacote a troca destes.

Na sexta feira a noite peguei com o Anselmo a vara já pronta. Fui verificar como ficou o peso e, mesmo com a retirada de um passador e a troca do pegador próximo ao reel seat, a diferença foi pequena, ficando a vara com 566 gramas, contra os 575 que tinha.
Não me lembro quanto pesava a Coral de 4,20 originalmente, quanto ainda tinha os passadores comuns originais, mas a Coral de 3,90 original que adquiri do Anselmo recentemente pesa 519 gramas, vide fotos abaixo.

Fiz a comparação com a Surf Coast de mesmo tamanho e a Surf Coast de 4,20 pesou 602 gramas, cerca de 6% mais pesada que a Coral customizada de mesmo tamanho.
Para conferir o peso da Surf Coast obtido na balancinha "xing-ling", já que me disseram que a Surf Coast de 4,20 m pesava 630 gramas, utilizei a balança homologada do Clupesal e a diferença foi de apenas 3 gramas para a balancinha "xing-ling". Esta minha Surf Coast de 4,20m pesa 605 gramas.
Aproveitei e também conferi o peso da Coral na balança do Clupesal : pesou 565 gramas
Agora é fazer um teste na praia.


sexta-feira, 13 de maio de 2011

Comentários feitos entre 11 e 13 de maio

Apesar do milpesca.com ter domínio próprio, o blog está hospedado em servidores da Google e desde ontem não tenho conseguido acessar para postar ou para responder os comentários.


Todos os comentário realizados entre os dias 11/05 e a manhã de hoje foram temporariamente retirados pelo serviço do Blogger.

Caso você tenha feito algum comentário entre esses dias, por favor faça-o novamente. Obrigado.


quarta-feira, 11 de maio de 2011

Porta Molinetes

Quebrei recentemente dois "aros" dos dois molinetes Daiwa Emcast 6000 que possuo. O "aro" é a pecinha assinalada pela seta na figura abaixo.

Cheguei a comprar um novo "aro" no Canadá, mas pelo fato do Emcast ser produzido em vários locais pelo mundo, o "aro" que comprei tinha uma pequena diferença e não serviu. Estou com os molinetes funcionando, até muito bem, à base de uma "gambiarra" que fiz com resina e massa epóxi.

A quebra certamente se deu no transporte, quando a sacola ou o samburá cheia de tralhas forçou o "aro" até quebrar.

Mas como os Emcast 6000 já vão no quarto ano de uso intenso, foram comprados no início de 2007, já os estou substituindo pelos Daiwa Windcast 5000. Como não quero ter novamente uma "aro" quebrado de um molinete que está chegando agora ao mercado, busquei uma fórmula para transportá-lo com segurança.

Encontrei na loja Vá Pescar o porta molinete da foto abaixo, por R$ 20,00, que serviu muito bem para o Windcast 5000. Cabem também os Emcast 6000, mesmo sendo os molinetes um pouco maior.

Se o porta molinete tivesse uma altura menor, 12 cm por exemplo, um centímetro maior do que as alturas das caixas originais dos Emcast e Windcast, seria perfeito.

Como o porta molinete possui uma altura de 15,5 cm, fica um espaço vazio muito grande. Ainda assim é um produto muito bom.

Comprei também nesta mesma loja seis chumbadas tipo pião, esmeradamente fabricadas e encarteladas com o nome da loja. Acompanhou a compra uma tábua de marés, só que do porto de Maceió. Vide foto abaixo.

A loja fica em Maceió, parece-me bem organizada e pode ser uma alternativa para compra de materiais de melhor qualidade aqui no Nordeste. O frete fica bem mais em conta.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Pescaria em Busca Vida

Pescamos eu e o Deco em Busca Vida, no último sábado, dia 7.

Saímos daqui de casa por volta das 13:00 horas e a tarde estava excelente, sem vento e com mar calmo. Seria minha primeira pescaria depois de mais de 28 dias sem pescar.

Ao chegarmos à praia nos deparamos com uma arrebentação distante, cerca de 80/90 metros, e revirando muita areia. As iscas voltavam inteiras ou beliscadas por siris ou peixes muito pequenos.

Resultado: amarguei um sapato e o Deco pegou o pirambu da foto abaixo:
Que foi cuidadosamente solto
Agora é pensar na próxima pescaria.


sábado, 7 de maio de 2011

O Rod Maker e Custom Rodbuilder Anselmo


Rod Maker e Rodbuilder é como são chamados os montadores, customizadores e reparadores de varas de pesca.

Hoje finalmente conheci pessoalmente o Anselmo. Já tinha visto vários trabalhos dele feitos para comunidade de pesca de praia de Salvador, alguns deles pescadores do Clupesal, e conversado diversas vezes com ele pelo ORKUT e conhecê-lo pessoalmente foi um prazer e uma ótima experiência.
Estive em seu ateliê no bairro de Pernambués hoje pela manhã. Esperava encontrar alguém mais velho e fiquei surpreso com o aspecto jovial do balzaquiano recente, que não aparenta mais de 25 anos, muito atencioso e simpático.

O motivo de minha visita foi a compra de uma vara Rainbow Coral e a colocação de uma ponteira lowrider e a correção de um trabalho de colocação de passadores lowrider que eu fiz em minha vara Coral de 4,20m.

As varas Rainbow Coral são excelentes, levíssimas, potentes e com bom acabamento. Elas foram importadas em grande quantidade pela loja Centauros e com o fim da seção de pesca na Centauros, não se encontrava mais nenhuma dessas varas à venda. Seus preços antigamente estavam entre US$ 150.00 e US$ 300.00

Porém o Anselmo conseguiu duas varas Coral novas, uma de 3,90m e outra de 4,20m. Como eu já tenho uma de 4,20m, que é a minha melhor vara, comprei dele outra de 3,90m. Ele ainda tem uma de 4,20m à venda.

Aproveitei para conversar mais com ele e ele contou-me que é pescador e se interessou inicialmente pelo reparo de varas e buscou apoio nos rodmakeres americanos. Foi muito bem recebido na comunidade, passou a participar de fóruns e fez os primeiros trabalhos. Só depois foi que conheceu a comunidade brasileira, os grandes montadores nacionais, verdadeiros "feras" segundo ele.

Conversamos bastante e fique surpreso com a dimensão do mundo dos rodmakeres, que possui uma grande comunidade, clique na figura abaixo para conhecer.

Eles também realizam grandes exposições internacionais, como a do ano passado. Clique na figura abaixo para ver.


Eles possuem também uma publicação exclusiva, a revista RodMaker.

Tive oportunidade de ver diversos trabalhos dele, a maior parte feito para as empresas baianas de Guias de Pesca, dentre elas a Ceminha Fishing. O Anselmo também é pessoa jurídica e importa legalmente diversos suprimentos e materiais de pesca, desde linhas a varas e molinetes de primeira linha, como as da Colmic e Daiwa.

O papo estava tão bom que quase esqueço do compromisso com o Deco, de irmos hoje a tarde pescar em Busca Vida. Acertamos o preço dos serviços para colocação da ponteira, troca do reel seat, butt cap e relocação dos passadores na minha antiga vara coral de 4,20m e nos despedimos. O preço cobrado foi justo, nada de assustar.

Você pode contatar o Anselmo através do Orkut, clicando aqui.



sexta-feira, 6 de maio de 2011

Fabricando Chumbadas

Após 15 dias de tratamento com antibióticos, já que quando estava em pleno tratamento e fui surpreendido com uma otite, ontem livrei-me dos remédios.

Para comemorar, já que não houve a Reunião das Quintas Feira, eu e o Deco Loureiro nos encontramos para fabricar chumbadas e detonar duas caixas de Heineken que estavam há cerca de 20 dias na geladeira.
Eu tinha encomendado algumas chumbadas de um fornecedor daqui do Nordeste, mas como a encomenda não chegará até amanhã, dia que irei pescar, o jeito foi fabricar "algumas".

Só que o Deco apareceu aqui em casa com cerca de dez quilos de chumbo e o "algumas" terminou virando 60 chumbadas, vide foto abaixo quando já tínhamos fabricado cerca de 5 quilos.
Demoramos para "acertar a mão" em algumas chumbadas pião e várias saíram defeituosas, mas as pirâmides ficaram perfeitas. E amanhã eu vou pescar!!!!!!!!