caiaque bahia

caiaque bahia
Visite o Caiaque Bahia - clique na imagem

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Em Torneios de Pesca, só os "Feras" Participam?

Claro que não!

Sílvio Fukumoto em seu livro "NOÇÕES GERAIS DA PESCA DE ARREMESSO" , no capítulo de introdução, cita:

"A pesca amadora é uma escola da natureza, saudável, risonha e franca, em que todos são admitidos mas ninguém cola grau, porque é um aprendizado sem fim. É, além disso, como dizia o presidente americano Hoover, uma lição sobre a igualdade dos homens, pois todos os homens são iguais perante os peixes".

Tenho inúmeros casos de "feras" que em torneios ficaram assistindo a neófitos, iniciantes, pegarem peixes enquanto amargavam um "sapato" no setor bem ao lado do iniciante.

O material também não quer dizer muita coisa, uma vara de bambú e um molinete dos mais em conta podem facilmente obter resultados tanto quanto equipamentos de várias centenas de reais.

Chama-se de "sapateiro" o pescador que não pescou nada em determinado dia, coisa que é muito comum. Lembro até que a dupla campeã 2008 do Clupesal durante uma das etapas chegou até a levar um tênis velho para a hora da pesagem, pois não pegaram nada o dia todo.

Em minha primeira participação em torneio, também sai de "sapateiro".

A maior pretensão dos clubes ao promoverem os torneios de pesca é justamente a difusão do esporte e a troca de experiências. Você precisa ver o orgulho dos fundadores do Clupesal quando vêm os novos membros participando dos torneios internos e até dos interestaduais. Se realizam como pescadores.

Venha pescar.

Sim, antes que eu esqueça, o Hoover citado acima, ou melhor, Herbet Clark Hoover foi o 31º presidente dos Estados Unidos entre 1929 e 1933 e só foi considerado melhor presidente que o Busch filho e o Nixon.



Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca


2 comentários:

  1. Milton,
    seu texto reflete muito bem a realidade de torneios, inclusive do Clupesal.
    Na minha primeira pescaria no clube, foi em uma gincana que ocorreu em Jacuípe e eu não tinha experiência alguma com aquela movimentação toda de pescadores pra todo lado na praia.
    E foi um dia que muita gente amargurou sapateiros. Os grandes pescadores, equipados até os dentes, ficaram garimpando pequenos e raros peixitos, na expectativa de tentar uma classificação.
    Enquanto isso, eu tava meio triste por ter sido sorteado para o último setor, o mais longe. Sem saber que aquele cantinho era o que os mais experientes desejavam.
    Naquele dia levei pititinga e sardinha para tentar pegar alguma coisa.
    Faltando pouco mais de meia hora para terminar o tempo de pescaria, resolvi iscar um filé de sardinha e mandar ver no arremesso, que, por um acaso, é a foto principal da Comunidade Pesca de Praia.
    Arremessei, coloquei a vara na espera e fui conversar com meu amigo Badaras. De longe, vi que alguma coisa havia batido forte.
    Pesquei um belo de um bagre, que me garantiu o maior peso e maior peça naquela ginvana, faturando os prêmios e ganhando algo muito mais precioso, que foi a amizade de grandes amigos no Clupesal.

    Abraço,

    Júnior

    ResponderExcluir
  2. É isso ai, Mestre. Grande testemunho. Não sabia dessa história.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário.