caiaque bahia

caiaque bahia
Visite o Caiaque Bahia - clique na imagem

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Pesca e Consciência Coletiva

Essa semana um colega caiaqueiro levantou uma questão sobre imagens de peixes em situação constrangedora ou sangrando.

Isso me levou a considerar sobre algumas coisa que eram consideradas normais e aceitas há bem pouco tempo e que hoje são socialmente e até legalmente inaceitáveis. São elas:
  • Comer ovos de tartaruga
  • matar passarinhos e pequenos animais como lagartixas, preás, sariguês (eu mesmo tive estilingues e armas de pressão nas décadas de 60/70 e as usava para esses fins) 
  • Usar casacos de pele
  • Comer caça (paca, tatu, cotia, coelhos)
  • Manter animais silvestres em cativeiros (criar passarinhos, papagaios, micos, cágados) sem licença. 
  • Publicar imagens de animais mortos
Já havia feito um post antes sobre Consciência Coletiva, ou seja, àquela que emerge naturalmente do grupo, sem qualquer estímulo explícito. Isso aconteceu em um torneio de pesca de duplas quando pescamos um cação viola, eu e o Marcelo Lima, e resolvemos liberá-lo.

Não há restrições para a pesca do cação viola na Bahia e nem de tamanho mínimo, então a captura seria legal, mas eu e o Marcelo, mesmo com o risco de perda de pontos, pesamos, fotografamos e soltamos.  Na hora da pesagem alguém levantou a questão e todo o grupo aceitou a foto da pesagem. Isso é consciência coletiva, é crescer ambientalmente. 

Já há algum tempo que solto os peixes abaixo das medidas de referencia de outros estados  e a partir de hoje no Milpesca.com não teremos mais fotos de peixes mortos ou sangrando, ou em situações constrangedoras, mesmo que esteja em situação 100%  legal.  As fotos que já foram publicadas, paciência, ficarão como um marco de mudança, de crescimento. 

Eis alguns exemplos de sites, fóruns e blogs que já adotam esta prática:

Se souberem de mais algum, por favor me informem e mandem o link da evidência.





2 comentários:

  1. Milton,
    Ótima iniciativa!
    Isso coloca nosso esporte em um patamar, em que, mesmo individualmente, independente de regras, leis e regulamentos, a conciência fica acima do que é pegar um ou vários peixes. Deste ou daquele tamanho.
    O importante é que além da satisfação pela pescaria, passamos a ter a satisfação pela preservação.
    Seu post me fez lembrar que, quando garoto, assistiamos o programa Pesca&Cia e achavamos estranho aquele pescador, soltando todos os peixes. Quando na verdade eles estavam plantando ou distribuindo uma semente que, por mais demorada, começa a dar frutos.
    O contato com a natureza, os amigos, o preparo do equipamento, o carro na estrada. Isso é o bacana da pescaria.
    Só há um porém... Agora, temos que sempre levar a camera, para registrar o torféu e não deixar que aumente a fama de que todo pescador é mentiroso. kkkkk

    Valeu!!

    Abraço,

    Juca

    ResponderExcluir
  2. É isso ai, companheiro. Continuarei a trazer e a saborear apenas àqueles peixes que certamente eu compraria na peixaria. O restante, foto e/ou filme e liberdade para eles.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário.