caiaque bahia

caiaque bahia
Visite o Caiaque Bahia - clique na imagem

sábado, 1 de agosto de 2009

Meu maior peixe na Pesca de Praia - Xaréu de 6,50 kg

Não lembro exatamente do ano, se 2004 ou 2005. Máquina fotográfica digital não era comum e lembro que depois da captura liguei para minha mulher pedindo que levasse a máquina fotográfica e ela teve que passar em uma farmácia para comprar filme de 35 mm e pilha para o flash. As fotos foram, portando, scaneadas.

A história foi assim: Tínhamos ido pescar pela manhã no Buraco do Padre, em Stella Maris, eu e o Epaminondas, e amargamos um "sapato" brabo, nem uma beliscada. Humilhados, combinamos uma pescaria a noite junto com um amigo dele, cujo nome não me recordo, mas lembro que era paulista de Piracicaba e falava com o sotaque característico daquela região.

Chegamos as 17:00 horas e começamos a pescar. As 18 horas, já tudo escuro, pois aqui no nordeste escurece cedo, o Pamir (Epaminondas) avisa que minha vara tinha batido. Corri para ela e não consegui tirar a vara do fincador (secretária) de tão esticada que estava. Tirei então o fincador da vara, levantando os dois e jogando o fincador no chão.

Avisei que era peixe grande e pedi ao Pamir que marcasse o tempo. O bicho parou então de correr para fora e começou a correr em direção ao sul. Regulei o freio do molinete soltando um pouco, pois a linha era uma caiçara 0,40, comprada baratinho pelo Célio em um BOX da CEASA que tinha fechado. O Anzol também era um mustad noruegês 12, não muito confiável.

Depois de algum tempo o bicho virou para o norte e ai eu comecei a forçar o recolhimento pois nessa direção tem pedras e poderiam quebrar a linha. O Pamir gritava para que eu puxasse logo e eu dizia que não dava, pois ia quebrar o anzól. Fui recolhendo quando dava e quando faltava uns quarentas metros, estimados pela quantidade de linha na bobina do molinete pois a lanterna de cabeça tem alcance limitado, o bicho começou a subir e descer, sentia na vara, enquanto ia ora para o norte hora para o sul. Quando passou da arrebentação, aproveitei uma onda e pus o bicho no seco. O Pamir pegou pela cauda, encerrando uma briga que durou 28 minutos.

Depois de eu gritar de alegria por dois minutos e ter dançado a Macarena, lembrei que tinha de fotografar e fui ao orelhão do Hotel Catussaba para ligar para a mulher. Nessa hora vi que o amigo do Pamir me olhava desolado e me disse que na mesma hora que o meu bateu, o dele também bateu, mas como ele estava pescando com material leve o bicho levou tudo em uma rápida arrancada, "secando" a linha do molinete e quase levando a vara e a espera, caso ele não tivesse segurado. Creio que naquela hora entrou na praia um cardume de xaréus, coisa que é muito comum aqui em Salvador, clique aqui para ver um vídeo à respeito.

Ao pescar no Buraco do Padre, tem que se estar preparado para essas boas surpresas.

O xaréu ficou no freezer por um mês, inteiro, sem fatiar, ocupando o lugar de duas gavetas. A cada visita que eu recebia em casa as minhas filhas já de brincadeira falavam do xaréu para que eu mostrasse.

Quando finalmente fomos comê-lo nem os dotes de excelente cozinheira de minha mulher salvaram. Ficou "seco" e não pegou tempero. Segundo o Mestre Célio, xaréu de mais de três quilos se não for comido fresco fica assim

Foto tirada no local da captura, as 19 horas, quando minha mulher chegou com a máquina fotográfica. Note que foi um dublê. Mas quem liga para um "bagrinho" de menos de um quilo quando se tem um xaréu de 6,5 quilos?

Dados:

Buraco do Padre - Praia de tombo.
18:00 - Maré cheia (reponte)
Vara NewPampo da Black Bear, hoje Okuma, (grafite). Ótima vara, tenho o blank de duas dessas varas até hoje.
Linha Caiçara 0,40
Anzol Mustad Norueguês 12
Isca Pititinga
Chumbada 150 g piramidal
Molinete Marine Force 4000
Chicote (parada) com linha Dourado 0,70 com pernada em 0,60.



Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.