quarta-feira, 24 de abril de 2019

Novo Caiaque Hobie - Passport




A Hobie lançou de forma repentina, como tem feito ultimamente, o seu novo caiaque de baixo custo e de pequenas dimensões, o Hobie Passport.

É impossível não compará-lo ao caiaque Pelican "HyDryve", lançado em julho de 2018, veja post a respeito clicando aqui.  Até parece que a Hobie fez uma associação ou até comprou a Pelican, que é uma empresa estadunidense/canadense. 

O caiaque segue o conceito de "pocket caiaque", nomenclatura criada pelo Paulo Meirelles para definir àqueles caiaques de alta portabilidade, com pequeno tamanho e baixo peso, para saídas rápidas em passeios curtos e geralmente em águas abrigadas caso o seu dono seja do tipo GG (mais de 1,70 e acima dos 80 kg).

Um ponto bastante positivo é que a quilha agora é bem pronunciada, com ângulos quase retos, o que deve propiciar um bom tracking e ser menos afetado pelos vento e correnteza quando se para de pedalar. 

O preço nos USA vai ficar em USD 1, 300,00 (cerca de R$ 5.200,00 ao cambio de hoje, 23/04/19) o que para um "Hobie" é muito barato.

Mas esse baixo preço não é obtido facilmente. A Hobie fez um corte drástico de custos. Tudo no Passport foi feito para redução de custos, desde o processo de construção do caiaque, que é "termoformado" (veja abaixo o que é) e não rotomoldado, até a montagem muito mais simples para consumir muito menos HH de montagem e com materiais mais baratos. As principais modificações são:


  • Leme mais simples, com um acionamento direcional por haste flexível e não por cabo, sem acionamento remoto de subida e descida, as quais devem ser feitas manualmente;


  • Puxadores (handles) bem mais simples, tipo o que são vendidos em sites chineses;


  • Haste do remo em alumínio tipo "triboard", em substituição à fibra de carbono;


  • Acionamento pela MD GT (para mim o melhor MD da Hobie, mas sem reversão), mas sem as barbatanas Turbo.


  • Quando o caiaque da Pelican com o "MD da Hobie" foi lançado, assim que a patente da Hobie venceu,  apresentou defeitos na fixação do MD ao casco, cujo adaptador soltava, pois o processo de fabricação por termoformagem não suporta formas complexas para o casco e não foi possível colocar os fixadores do MD solidários ao casco.

    A Hobie parece ter resolvido isso, pois utilizou o fixador de MD dos seus caiaques infláveis. A solução deve ser boa, pois tem o nome Hobie.

    Concluindo, considero-me um futuro usuário do Passport, em substituição ao meu Hobie Revolution 11, que uso em rios e lagos, embora tenha sérias restrições ao leme e ao MD.
    Ao leme por causa da fixação ao casco por parafusos e não por eixo com haste plástica, o deixou mais frágil, e caso seja levado para a posição de "guarda" por colisão com uma pedra ou toco submerso não parece ter como levá-lo de volta a posição de operação sem descer do caiaque. Ao MD porque sendo a pesca em rios e lagos seu principal uso, não tem sentido não ter a reversão.





    O que é o processo de termoformagem?
    termoformagem é um modo de moldar lâminas dando forma ao contorno através da utilização de calor e pressão tanto positivas como a vácuo. ... Na termoformagem, uma lâmina seca é aquecida a uma temperatura pré determinada na qual o material plástico amolece, mas de forma menor a sua temperatura de fusão.

    Como são feitos os caiaques por termoformagem:



    2 comentários:

    1. Excelente explicação Miltão. Deu vontade de adquirir o meu ...rsrsrs

      ResponderExcluir
    2. Muito bom Milton!
      Parece muito com os caiaque da Pelican mesmo! Mas dei uma olhada no peso do casco de série, apenas 1,5kg mais leve que o do Compass! Isso faz perder um pouco dessa característica de "Picker kayak".
      Considerando as economias na construção (que no Compass tbm ocorreram), ainda acho a segunda opção melhor custo benefício!

      ResponderExcluir

    Obrigado por seu comentário.