caiaque bahia

caiaque bahia
Visite o Caiaque Bahia - clique na imagem

sábado, 31 de outubro de 2009

Pescando, apesar do sargaços

Você espera ansiosamente pelo domingo e até sonha pegando um "bitelo", mas quando chega em sua praia preferida ela está tomada de sargaços.
Longe da beleza da música de Dorival Caymme, cantada por Adriana Calcanhotto, o sargaço "é um saco" para os pescadores de praia. O sargaço é muito comum em todo o litoral leste do nordeste brasileiro.

Sargaço são algas marinhas que se soltam do fundo do mar durante grandes marés ou por causa de tempestades, que foi o caso dessa semana em que chove muito no sul da Bahia, e que se depositam, mortas, nas praias. Antes de se depositarem na areia, ficam flutuando, às vezes por dias, logo após a arrebentação, até que sejam depositadas na areia da praia, sequem e sejam desintegradas pelo vento, pelo sol e pelo caminhar das pessoas.

Clique na imagem para acessar a reportagem do J o r n a l A T A R D E a respeito das chuvas de maio.
Quando isso acontece, o melhor é não pescar. Mas se você está à beira de um ataque de abstinência de PDP (Pesca De Praia) e já está tendo "delirius tremens", então você pode amenizar um pouco o problema da seguinte forma.
  • Prefira um local ou uma praia de tombo (é àquela praia que a poucos metros a profundidade já é muita), com apenas uma arrebentação e que você possa lançar após essa arrebentação.
  • Pesque duas horas antes e até duas horas depois da maré cheia.
  • Use chumbada de garras acima das 130 gramas pois essa manterá a linha esticada, reduzindo a catenária, acima do sargaço por mais tempo.
  • Use uma linha mais resistente. Normalmente pesco com linhas entre 0,25 mm e 0,35 mm mas nessas condições apelo para linhas de 0,40 mm ou 0,45 mm. É para isso que serve a a bobina extra que vem na maioria dos molinetes. A linha Max 0,43 mm, da Dayama, é uma ótima opção, boa e barata.
  • Use a "parada" (chicote) atada direta na linha do molinete, sem usar "leader" (leader é uma linha mais grossa, colocada antes da linha principal, para resistir aos arremessos), isso evita o acúmulo de sargaço na emenda e que sua linha saia flutuando por ai.
  • Use varas de ação rápida. Uma vara de ação lenta não ficará parada um minuto sequer.
  • Use linhas com grande elasticidade, senão sua vara, mesmo que de ação rápida, lhe dará a impressão que tem peixe na linha à toda hora. A elasticidade também evita que a linha se rompa facilmente com o sargaço "virando na arrebentação"
  • Pesque com apenas uma vara, senão em pouco tempo você estará cansado e de saco cheio.
  • Use o maior molinete que tiver com a menor relação de recolhimento possível. Os ideais são os Paoli (3,8:1) , Daiwa BG´s (4,3:1), Penn (4.5:1). Esqueça àqueles molinetes rápidos de até 6:1 pois será como andar na terceira marcha em uma ladeira íngreme. Carretilha então, só se for as oceânicas.
Algumas pessoas pensam que ele é gerado pela poluição, mas há relatos de sargaços nas praias de Salvador desde o século XVI.

E nem tudo no sargaço é ruim. Ele é utilizado econômicamente em vários lugares e até como filtro para metais pesados. Veja clicando aqui.


Enjoy, se possível.


Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Pesca com Bombas - Absurdo

Deparei-me com essa reportagem hoje. Não que seja uma surpresa, pois sabemos que a fiscalização é quase inexistente.

Mas encontrar no YouTube uma grande quantidade de vídeos com esses tema, sim, foi uma surpresa. O caras se divertem praticando um crime inafiançável e ainda colocam o vídeo no Youtube. Uma verdadeira zombaria para com os órgãos ambientais.


A seguir a reportagem:


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Diário de Torneio III

Este final de semana estive em Barra do Itariri participando da Terceira Etapa do Torneio de Duplas 2009 do CLUPESAL.

Como sempre, não falarei em colocações ou pontuações até que o Clupesal tenha publicado em seu site, apenas relatarei os fatos notáveis. Abaixo segue o relato:

Essa foi uma etapa de dois dias e não pude contar com a participação do Paiceiro Célio. Pesquei sozinho e com apenas duas varas, como manda o regulamento, ao invés das três varas que são permitidas por dupla.

Saímos de Salvador, eu e minha mulher, às 08:00 horas e chegamos a pousada por volta das 10:30. Descansamos, almoçamos a excelente feijoada que ela levou e às 11:45h saímos para o local do sorteio, a cerca de 3,0 quilômetros ao norte do vilarejo.

O sorteio aconteceu às 12:00h com a presença dos capitães de cada equipe e eu fiquei com a "raia", também chamada de "setor", 12.


O local do torneio permitiu que mesmo sem um veículo 4x4 se chegasse pertinho da praia, e mesmo os carregados de "munição" (iscas e cervejas) como as duas duplas abaixo, Los Sapateiros e Los Caiçaras, caminharem pouco para chegar às suas raias.

Embora o sol não brilhasse, não houve chuvas. O vento soprava do nordeste e estava moderado. No primeiro dia saiu peixes para todo mundo, embora não tivéssemos grandes peças. Eu capturei nove peças e a maior pesou pouco mais de 300 gramas. Todos foram bagres.

Já no segundo dia, embora tenha capturado apenas quatro peças, todas bagres, uma delas deu uma boa briga: um Bagre de 1,50 quilos. Veja as fotos abaixo. Clique nas fotos para ampliar.

Aparecem também nas fotos o Joel, o Kesso e Alice, a incansável filha do Joel.

Dados da captura:



Mas esse meu bagre foi o segundo "peixe do dia". O primeiro "peixe do dia" foi o da foto à seguir, com 3,13 kg, capturado pela Equipe Mar Azul.

As fotos foram feitas por minha esposa. Clique nas fotos para ampliar.


Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Cor da Roupa Para Pescaria ao Sol

O chamado "verão" aqui na Bahia se inicia em novembro, bem no meio da primavera, e se estende até o final de março quando as chuvas de abril fecham o verão. Pois é, as águas de março que fecham o verão, aqui, ocorrem em abril.

Com o sol forte, usamos muito filtro solar e roupas brancas, ou caqui, mas podemos estar errados segundo o Departamento de Investigação Têxtil da Universidade da Catalunha.

Segundo eles, as cores para serem usadas no verão que mais protegem dos raios UVs são o vermelho, o amarelo e o azul. Para acessar o estudo deles, em inglês, clique aqui.

O arquivo está no RapidShare e ele funciona da seguinte forma: Após você clicar no link, aparecerá a tela do RapidShare com dois hodômetros, escolha o que tem o botão FREEUSER. Poderá aparecer um contador de tempo e em seguida aparecerá uma esfera azul com uma seta branca para baixo escrito DOWNLOAD. Clique na esfera e escolha SALVAR.

Na Austrália, país onde o sol e o calor são intensos, colonizada pelos ingleses, já há uma legislação específica sobre proteção UV nas roupas.

A seguir, link para os principais principais fabricantes brasileiros:














Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

domingo, 18 de outubro de 2009

Restauração de Vara para Surfcasting II - O Teste

(clique na imgem para ampliar)

Acordei cedo e fui ao Buraco do Padre testar a vara New Pampo recém restaurada. Seis horas já estava lá.

Já sabia que tinha muito sargaço e que a maré vazante potencializa seus efeitos sobre a pescaria já que a arrebentação passa a ser mais distante, justamente onde a linha toca na água, e além de enrolar-se na parada (chicote), o sargaço ainda sobe pela linha (vide seta na foto acima).

A vara restaurada funcionou muito bem e exige o uso de chumbadas acima de 150 gramas. O arremesso é muito bom, melhor que com a Killer. Por outro lado, apesar de não muito pesada, seu diâmetro de 35 mm não traz conforto. É a vara ideal para mandar longe uma isca grande, como uma sardinha inteira, e deixar por muito tempo na água.

As 07:00 h fui embora, pois apesar do mar calmo o sargaço estava insuportável.


Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

sábado, 17 de outubro de 2009

Restauração de Vara para Surfcasting

Por estar trabalhando muito, não tenho postado desde o dia 10 de outubro, dia em que tivemos aqui em Salvador uma tempestade com mais de 12 horas de chuva contínua.

Todos esses dias, inclusive o feriadão, tenho sempre trabalhado um pouquinho na recuperação de uma vara New Pampo, da Black Bear. Hoje pela manhã conclui o trabalho e agora a tarde vou fazer um teste.

A motivação para recuperar essa vara foi antes de tudo sentimental. Até 2007 eu ainda usava essa vara pois acreditava, e acredito, que ela possui uma boa carga de bons fluidos. Foi com ela que alcancei meu recorde em pesca de praia, clique aqui para ver o post. Fora isso ela é leve apesar de ser de grafite com fibra de vidro, e tem um diâmetro no pé (butt cap) de 35 mm, fina o suficiente para caber em minhas esperas de 40 mm, levíssimas.

Fiz vários reparos nela para continuar usando-a pois devido ao tempo os passadores começaram a quebrar por ressecamento e eu ia substituindo por passadores de varas de bambu, (que tenhos vários), e que são leves. Também já tinha retirado o EVA e trocado o reelset, o fixador do molinete, por um Fuji, pois tinha quebrado. Clique nas imagens para ampliar.


Como fiz:

Primeiro retirei todos os passadores com um estilete, cortando os fios com cuidado para não ferir o corpo da vara. Depois de tudo retirado, pesei a bichinha: 580 gramas, mais ou menos 20 gramas, pois a balança a partir das 400 gramas tem esse erro,

Depois lixei com uma lixa d'agua 380, até retirada de todo o resto de cola e verniz antigo. Não me preocupei com as irregularidades e lixei mais nesses locais para que ficasse bem suave e não como "um buraco" na superfície.

Apliquei então primeira demão de tinta apenas nos locais das irregularidades. A tinta que tinha aqui em casa era um a sobra de um trabalho em um seminário. É uma tinta para isopor, mas o teste que fiz deu ótimo resultados. Comprei também por R$ 12,00 um verniz em spray para aplicar por sobre a tinta luminosa.

Depois de aplicada a tinta, fiz um lixamento com lixa nº 400 e apliquei então a segunda demão. Deixei secar por duas horas, lixei levemente novamente e apliquei a última demão. Após secar, apliquei duas demãos de verniz.

Iniciei então a colocação da ponteira e dos passadores. Os passadores vieram de duas vara em que coloquei passadores Low Rider, uma Killer e uma Coral, clique aqui para ver o post, inclusive com os detalhes de colocação dos passadores. Dois passadores adicionais e a ponteira, comprei com o Cleonil, na Conceição da Praia.

E está aqui o resultado. Nos encaixes usei fita isolante amarela e fiz o revestimanento com a resina epóxi (cola Scoth Mix).

Como pode ser notado, está preparada também para o uso com carretilhas.

Pesei cada seção separadamente e deu 890 grams. É pesada para meus parâmetros, mas possível de utilização como a vara "de fora", já que arremessa muito bem. E ficou bonita, com esse laranja tipo "cheguei".


~




Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

sábado, 10 de outubro de 2009

Manivela Maior - Power Handle - Para Abu Garcia II - A solução de menor custo

No post do dia 30 de setembro sobre a instalação em uma carretilha Abu Garcia de uma manivela maior, de melhor pega, clique aqui para ver o post, eu informei que procuraria uma solução de menor custo. E aqui está.
Custou-me apenas R$ 6,00 Reais.

Embora não seja realmente uma manivela maior, e sim uma manícula maior, manícula é a parte da manivela onde seguramos, a solução é bem efetiva. Tenho certeza pois tenho duas carretilhas Marine Caster com essa solução.

Como foi que fiz: a nova manícula que usei foi do Molinete Paoli Malcom e simplesmente segurei na manícula da Abu e puxei com força, saiu bem fácil, depois disso foi só retirar rebarbas que ficam na luva da manícula da Abu e encaixar a do Paoli. Fácil assim. Veja na foto abaixo. A manícula do Paoli pode ser comprada aqui em Salvador na loja do saudoso Alírio, ao lado direito da Igreja da Conceição da Praia.

Há, sim ia esquecendo: fomos eu e o Célio hoje ao Buraco do Padre e saímos de sapateiro. Soprava um terral (vento de oeste) e os peixes não quiseram nada conosco, apesar da beleza e tranquilidade do mar, mas seu Oswaldo, que pescava a uns 200 metros de nós, pegou uma bela corvina.

Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Pesca de Praia há cerca de 2400 anos (?)

O Túlio e a Luciana, conhecidos agora como "Os Pais de Guilherme", estiveram na Grécia e gravaram esse vídeo no Museu Arqueológico da Ilha de Delos para o Célio e para mim. Aumente o som para ouvir a narração do Túlio, também um pescador.

Além das chumbadas e anzóis, parece que as "flexinhas" são agulhas de iscar, também muito parecidas com as de hoje. Ou então são agulhas para confecção de redes.



Obrigado, Túlio e Luciana.

Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Arraia Capturada em Sauípe - 5,75 quilos

Tinha esquecido desse vídeo. Tem seis meses que essa captura aconteceu, o vídeo está no YouTube e já vai completar 1000 exibições.

Serve de exemplo para demonstrar a resistência da parada (chicote) com missangas e nós de correr, objeto do post do dia 04 de outubro, clique aqui para ver, caso o post não esteja abaixo.



A captura ocorreu dia 29 de março de 2009 na companhia do PAIceiro Célio e do amigo Marcelo. Os amigos Deco, Jair e Fabian iam chegando á praia ás 07h30m. A "briga" durou uns quinze minutos e a danada me deu trabalho, deixando-me cansado, e já na "beirinha" a arraia "grudou" no chão e como a vara Coral tem a ponta fina, tive que puxá-la "na mão grande", pegando no terço superior da vara para não quebra-la.

Dados:

Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

domingo, 4 de outubro de 2009

Parada (chicote) Para Pesca de Praia

Alguns colegas pescadores quando vêem minhas paradas (chicotes) sempre me perguntam os detalhes. O melhor atributo é que a parada alia leveza e resistência, pois aqui no nordeste sempre temos boas surpresas na pesca de praia com exemplares acima dos cinco quilos e muito "brigadores", como o xaréu.

Pois bem, como registro e para receber sugestões de como aprimorá-las, segue a forma de fazê-las.

Material necessário:

  1. Chumbada com girador (o girador pode ser separado)
  2. Missanga redonda de 3,7 mm de diâmetro e com diâmetro do furo menor que o da luva, ou seja, cerca de 1 milímetro.
  3. Girador em aço inóx com o aro máximo de 3 mm de diâmetro e com resistência maior ao da sua linha principal
  4. Luva número zero em aço inóx
  5. Missanga redonda de 4,8 mm de diâmetro e furo maior que 1,5 mm
  6. Snap com resistência maior ou igual a 8 quilos de tração (para suportar os arremessos)
Quanto as linhas, use para a linha mestre da parada uma linha comum, como Dourado 0,80 mm e para as pernadas uma linha de fluorcarbono à partir de 0,40 mm. Para fazer os nós de correr podem ser utilizadas linhas de costura de bolsas e sapatos.

A linha 0,80 mm permite substituir os nós de correr por um nó na própria linha, com toda segurança, contanto que você ao fazê-lo lubrifique o nó, com água ou saliva, e aperte-o lentamente. Se você optar por utilizar o "nó cego", lembre-se que em caso de ter que usar chumbadas de garra, você não poderá subir as pernadas. Nos casos também de evidência de que os peixes só estão "comendo" em cima, ou embaixo, você ficará limitado a altura em que colocou o nó.

Eu uso 1/3 do tamanho da vara como comprimento padrão para as paradas e trinta centímetros para as pernadas.

Não se prenda às especificações de tamanho do material, eles podem variar suas dimensões, pois o importante é que você consiga ter uma uma montagem como da foto abaixo. Cuide apenas para que o girador e a luva sejam do mesmo material, senão poderá ocorrer uma corrosão galvânica.
2 - Missanga pequena
3 - Girador----------
4 - Luva-------------
5 - Missanga maior---

Depois de se ajustar os dois nós de correr, a montagem ficará como abaixo.

Para fazer os nós de correr, assista o vídeo abaixo de autoria do Daniel Almeida. Eu complemento os nós, fazendo um "nó cego" nas extremidades antes de cortar.




Para fazer o nó que liga a pernada ao girador, passe a linha da pernada pelo aro do girador e use o mesmo nó de correr, só que dando no mínimo 10 voltas. |O mesmo nó pode ser usado para prender o girador na parte superior da parada e o snap na parte inferior, sempre arrematando com um "nó cego".

Nas fotos abaixo está a parada depois de pronta. A foto foi dividida em três seções. Clique nas imagens para ampliar.



Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

sábado, 3 de outubro de 2009

Pescaria no Buraco do Padre - Bagre capturado pelo Ney

Consultei hoje a previsão do tempo para amanhã na Praia de Itapoan e não é nada animadora. As previsões são de ventos de SE de 20 km/h e ondas de 1,4 metros. Clique aqui para ver.

Mas não satisfeito, fui verificar "in loco" as demais condições. Fui ao Buraco do Padre e encontrei pescando lá o Amorim, o Edson e o filho dele, Ney e o Tiago Bulcão.

Verifiquei que a maré ainda corre bastante para o norte e que tem um pouco de sargaço, ou seja, não está nada bom.

Aliás, de bom mesmo só a captura que Ney efetuou: um belo bagre, em torno dos três quilos. Veja a foto.Na foto seguinte, Edson e o filho




Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rio 2016

E venceram a cidade mais bonita e o presidente de maior carisma.

E nós, pescadores, estamos na fita. Confira.

Parabéns Rio de Janeiro. Parabéns Brasil.
(tenha paciência, nesse momento esse é o vídeo mais visto no YouTube)









Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Compra de Peças Para Molinetes II - A conclusão

Chegaram do Canadá as peças que encomendei como sobressalentes para os quatro Daiwa Emcast que possuo.

Para ver o post anterior sobre esse assunto, clique aqui.

Não foi rápido, mas chegou. É portanto uma solução possível e viável. Eles mandaram um bussiness card (cartão de visitas) o qual reproduzo abaixo, junto com a embalagem, o conhecimento de carga e as pecinhas, é claro. Clique nas imagens para ampliar.




Se você está vendo um único post, clique na figura abaixo para ir ao Blog Milpesca